Saltar o menu
O que é a depressão?

O que é a depressão?

Publireportagem

A depressão é uma das doenças psiquiátricas mais frequentes na sociedade. Afecta pessoas de todas as idades, e actualmente, é a principal causa de incapacidade e a segunda causa de perda de anos de vida saudáveis. As causas podem variar de pessoa para pessoa, no entanto, existem factores sociais que influenciam o aparecimento e permanência de episódios depressivos como o falecimento de um ente querido, o divórcio, o desemprego, as condições de vida adversas, acontecimentos traumáticos, relações interpessoais infelizes, entre outros factores.

A depressão é uma doença mental caracterizada por um estado de tristeza mais marcada ou prolongada, perda de interesse por actividades habitualmente encaradas como agradáveis ou de lazer, perda de energia e cansaço fácil.

A depressão pode ser episódica, recorrente ou crónica e leva à diminuição substancial da capacidade do indivíduo em assegurar, por vezes, as tarefas e responsabilidades mais simples do dia-a-dia. Os sintomas têm propensão a persistir durante longos períodos de tempo, perturbando significativamente a vida quotidiana do doente, tanto a nível pessoal com o profissional e, como se podem confundir com outro tipo de sentimentos, o diagnóstico da depressão pode passar despercebido durante muito tempo e evoluir para estados muito graves. A falta de tratamento adequado leva a que a depressão se torne numa doença crónica ou seja, o doente não entra em remissão.


A depressão dói mas pode deixar de doer
A doença manifesta-se de diferentes formas de pessoa para pessoa – se, em alguns casos, são mais visíveis os sintomas emocionais (tristeza, desânimo, falta de interesse, pessimismo, falta de auto-estima, irritabilidade), noutras a depressão expressa-se sobretudo de forma física com dor (cabeça, costas, ombros muscular, abdominal), alterações do sono, falta de energia, fadiga e mal estar generalizado. Por isso se diz que a depressão dói.

De salientar que, no caso da dor física, quando esta persiste durante anos, não respondendo ao tratamento convencional com analgésicos, deve ser investigada pelo médico assistente. Por outro lado, é importante ter em conta que quando a única manifestação da depressão é a dor física, facilmente a mesma pode ser confundida com outras doenças.

Luís Câmara Pestana, presidente da Associação Portuguesa de Psiquiatria Biológica, considera que “é alarmante pensar que estes doentes passam anos com uma depressão não diagnosticada, até ao dia em que são vítimas de uma crise profunda com graves consequências, pessoais, familiares e profissionais. É fundamental ter em conta os sintomas físicos como sinais de alerta importantes que mascaram frequentemente os restantes sintomas depressivos. Estes estados devem ser tratados da mesma forma que são os típicos episódios de depressão.”


Como se diagnostica a depressão?
Para se diagnosticar um episódio depressivo devem estabelecer-se determinados critérios, não sendo suficiente a existência de um sintoma ou vários sintomas, que tenham decorrido durante escassos dias, para que se possa detectar uma depressão. Desde os primeiros sintomas até ao diagnóstico da depressão podem decorrer cinco anos.

Segundo Luís Câmara Pestana, «há factores importantes que levam ao diagnóstico tardio da depressão. O receio da estigmatização por parte dos doentes é um deles. Mas o facto mais alarmante é, por vezes, os doentes e mesmo alguns profissionais de saúde não associarem os sintomas físicos com a depressão. No entanto, estes são sinais de alerta importantes e devem ser tratados a par dos sintomas emocionais», adianta Luís Câmara Pestana.

Perante este tipo de sintomas que interferem de forma inequívoca no nosso quotidiano procurar ajuda é fundamental. Actualmente, existem terapias que, para além de estarem indicados para o tratamento de episódios depressivos e perturbação de ansiedade, também actuam no alívio da dor física associada.

Para se diagnosticar um episódio depressivo devem estabelecer-se determinados critérios, não sendo suficiente a existência de um sintoma ou vários sintomas, que tenham decorrido durante escassos dias, para que se possa detectar uma depressão. É importante procurar ajuda e falar com o médico, para que ele possa efectuar um diagnóstico correcto e atempado. Após o diagnóstico é necessário que o tratamento seja efectuado durante um período de tempo adequado, de acordo com a situação clínica.



Procurar ajuda para combater a depressão
O primeiro passo para combater a depressão é o reconhecimento do estado de doença, através dos sintomas e sinais. Neste caso, o indivíduo deve procurar informar-se sobre a doença e consultar o médico de família ou o psiquiatra, explicando os sintomas que tem vindo a sentir nos últimos tempos.

O doente deve ter consciência de que a depressão é uma doença de um modo geral tratável e que cumprindo o tratamento acordado com o médico, voltará a fazer a sua vida como anteriormente, uma vez que os sintomas desaparecerão progressivamente. No entanto, é importante ter a consciência de que nas primeiras semanas de tratamento poderá sentir os efeitos secundários da medicação e que o efeito benéfico poderá demorar entre duas a quatro semanas a surgir.

Para ficar a saber mais pode ainda consultar o site www.adepressaodoi.pt

Enviar artigo por E-mail

A sua mensagem foi correctamente enviada

Ocorreram erros, verifique os campos a vermelho

Faltam 500 caracteres

Comentários


Artigos relacionados