Saltar o menu
99% das crianças portuguesas têm problemas dentários

99% das crianças portuguesas têm problemas dentários

“Maus hábitos alimentares” prejudicam saúde oral infantil, afirma dentista

Segundo a Sociedade Portuguesa de Estomatologia e Medicina Dentária (SPEMD), cerca de 99 por cento das crianças portuguesas têm problemas dentários e apenas 50 por cento vão ao dentista. Para Joana Soares, diretora clínica do serviço de medicina dentária das clínicas Dentalis e Implantologia, o aparecimento de cáries nas crianças deve-se, sobretudo, aos “maus hábitos alimentares”.

 

SAPO Saúde (SS): Quais são os grandes problemas de saúde oral nas crianças?
Joana Soares (JS): A saúde oral nas crianças continua a constituir um problema grave na sociedade portuguesa, tendo em conta estudos que apontam que aos 12 anos de idade existe uma taxa superior a 60 por cento de problemas relacionados diretamente com doenças/desarmonias orais nas nossas crianças.
Os principais problemas estão, sem dúvida, apoiados na falta de profilaxia (prevenção) aliadas aos maus hábitos alimentares, que leva à proliferação das bactérias da cavidade oral e como consequência ao aparecimento de cáries, entre outras infeções.

As caries são, sem margem de dúvida, a infeção predominante nas crianças portuguesas, e devem-se sobretudo aos maus hábitos alimentares associados à falta de uma correta higiene oral. Um bom exemplo, são as caries de biberão, que surgem especialmente quando a criança ainda é muito pequenina e bebe leite ou derivados com grande aporte de açucares, à noite, antes de dormir.

Para além disso, existem outras bactérias que provocam outro tipo de infeções, tal como a doença periodontal (periodontite). Neste caso, ao contrario das caries que atacam diretamente os dentes, aqui são os tecidos de suporte dos dentes que são afetados, nomeadamente, gengivas, ligamento periodontal e osso.

Há ainda a salientar que a falta de saúde oral não está apenas subjacente nas infeções bacterianas mas também na desarmonia que os dentes apresentam uns em relação aos outros. Chama-se a isso má oclusão dentária. Este problema pode ser provocado por diversos fatores. Entre eles estão mais uma vez os maus hábitos e rotinas da vida da criança... o uso de chupeta durante um tempo prolongado (depois dos 3 anos e quando não é anatómica) torna-se prejudicial.

Do mesmo modo, chuchar nos dedos ou pressionar diretamente os dentes incisivos superiores contra os lábios altera a posição correta dos dentes. Por vezes, a falta de sensibilidade do dentista perante a manutenção dos dentes, leva a extrações precoces dos mesmos e consequentemente à movimentação dos restantes dentes.

(SS): A partir de que idade, as crianças devem começar a ter cuidado com a saúde oral?
(JS): O mais cedo possível. Entenda-se que os cuidados com a saúde oral começam nos bons hábitos. Até aos três anos, as pastas existentes no mercado têm, em geral, demasido fluor, mas a escovagem e o hábito de higiene oral devem ser implementados assim que a criança tente brincar e copiar os adultos, usando uma escova de dentes suave.

Saiba mais na página seguinte

Enviar artigo por E-mail

A sua mensagem foi correctamente enviada

Ocorreram erros, verifique os campos a vermelho

Faltam 500 caracteres

Comentários


Artigos relacionados

  • Cuidado com as cáries

    Cuidado com as cáries

    Saiba como proteger o seu filho deste problema de saúde oral+

  • Sorriso saudável

    Sorriso saudável

    Cáries, sensibilidade dentária, aftas, doença periodontal fazem parte do seu vocabulário? Está na hora de devolver a saúde ao seu sorriso!+

  • Boca sã

    Boca sã

    Siga os conselhos de Pedro Mesquita, médico dentista, para pôr em prática uma higiene oral irrepreensível e, assim, manter os seus dentes saudáveis+

publicidade
publicidade

Subscreva a nossa Newsletter

Subscreva a nossa newsletter

Vídeos

Maternidade Alfredo da Costa

ver mais vídeos

Limão

Anti-séptico, antibacteriano, anti-alérgico e anti-cancerígeno

Ébola causa 21 mortes na Serra Leoa, Libéria e Guiné-Conacri

Diagnosticados 888 casos e contabilizadas 539 mortes desde o início do surto

ver todos os artigos