Saltar o menu
Brinquedos seguros

Brinquedos seguros

Porque o melhor do mundo são as crianças, ajude o seu filho a escolher os seus parceiros de brincadeiras

Caros ou baratos, os brinquedos preenchem o imaginário das crianças e são essenciais para o seu bom desenvolvimento.

Contudo, devem obedecer a alguns requisitos para que a missão seja cumprida com êxito.

Com a ajuda de Sandra Nascimento, psicóloga e Secretária-Geral da APSI, escolha o brinquedo à altura do seu filho.

A escolaridade oficial pode iniciar-se apenas aos seis anos mas, desde que nasce, a criança está em aprendizagem. Observar, perceber ou imitar o que a rodeia são os seus desafios diários e, como afirma Sandra Nascimento, «brincar pode ser considerada a profissão dos mais pequenos e os brinquedos as suas ferramentas».

Além daqueles dignos do nome, qualquer objecto é um potencial brinquedo. Daí que seja comum ver uma criança divertida a mexer em caixas ou coisas aparentemente sem interesse. A brincadeira não tem de ser estruturada e deve existir sempre espaço para o improviso e criatividade. Mas o que define um bom brinquedo? Mais do que o preço, este deve ser seguro, adequado à idade da criança e conseguir cativá-la, funcionando como um desafio e sobretudo um estímulo.

É brincando que adquirem valores e é também assim que estreitam os laços com os pais, amigos ou irmãos. «A socialização e o brincar tem um papel muito importante na construção da sua identidade e nas escolhas que a criança vai fazer futuramente», acrescenta.

Veja na página seguinte: A evolução da criança e os brinquedos mais indicados

Enviar artigo por E-mail

A sua mensagem foi correctamente enviada

Ocorreram erros, verifique os campos a vermelho

Faltam 500 caracteres

Comentários


Artigos relacionados

publicidade
publicidade

Subscreva a nossa Newsletter

Subscreva a nossa newsletter

Vídeos

Maternidade Alfredo da Costa

ver mais vídeos

Sopas sem batata

Duas receitas. Duas sopas. Com todo o sabor, mas com menos calorias e... sem batata

Preço continua a ser barreira no acesso a fármacos para VIH

Ainda assim, custo dos tratamentos de primeira linha caiu ao longo do último ano

ver todos os artigos