Saltar o menu
Dossier

Esclerose múltipla

As causas, os últimos avanços e o relato de quem vive com esta doença neurológica que afecta o controlo de funções vitais como a visão e o equilíbrio

ver todos os artigos do dossier
Nova solução para a esclerose múltipla

Nova solução para a esclerose múltipla

Cirurgião italiano aposta na angioplastia para tratar os sintomas desta doença degenerativa

A esclerose múltipla atinge 2,5 pessoas em todo o mundo, sobretudo mulheres, e a sua causa continua a ser uma incógnita. Vírus, químicos, stress e mutações genéticas são apenas algumas das possibilidades apontadas, mas as certezas ainda são poucas.

Trata-se de uma doença inflamatória crónica, desmielinizante e degenerativa do sistema nervoso central que interfere com a capacidade do mesmo em controlar funções como a visão, a locomoção, e o equilíbrio, entre outras. Forma-se um tecido semelhante a uma cicatriz que endurece, formando uma placa em algumas áreas do cérebro e da medula espinal.

Entre os seus sintomas encontram-se a visão dupla, falta de controlo dos movimentos finos das mãos, alterações na memória, fadiga, desequilíbrio,entorpecimento, fraqueza e rigidez dos membros e sensação de peso nos  mesmos, perturbações da bexiga, espaticidade e ificuldade de locomoção.

Os diferentes tipos de esclerose múltipla

1. Esclerose múltipla recorrente remissiva

Os doentes sofrem «ataques» (surtos ou exacerbações) seguidos por períodos de remissão com recuperação completa ou quase completa.

2. Esclerose múltipla secundariamente progressiva

Resulta da evolução do tipo anterior, por isso se chama secundariamente progressiva e atinge cerca de 25 % dos doentes com esclerose múltipla.Os doentes continuam a ter surtos, mas a recuperação torna-se incompleta, originando uma deterioração progressiva da condição física ao longo do tempo.

3. Esclerose múltipa continuamente progressiva

Neste tipo a incapacidade agrava-se continuamente sem surtos nem remissão. É comum em doentes que sofreram os primeiros sintomas após os 40 anos (cerca de 15% do total). É a forma mais incapacitante da doença e mais problemática quanto ao tratamento.

Veja na página seguinte: Uma nova esperança terapêutica

Enviar artigo por E-mail

A sua mensagem foi correctamente enviada

Ocorreram erros, verifique os campos a vermelho

Faltam 500 caracteres

Comentários


Artigos relacionados

publicidade
publicidade

Subscreva a nossa Newsletter

Subscreva a nossa newsletter

Vídeos

A importância dos hidratos de carbono

ver mais vídeos

15 regras para uma alimentação saudável

Adote comportamentos alimentares que protegem o organismo

Partnering for Cure: A importância do incentivo à investigação virológica

Hepatites B e C contribuem para 57% de casos de cirrose e 78% dos carcinomas hepatocelulares

ver todos os artigos

Doenças

Veja o índice alfabético